Gestão do Conhecimento – GC nas organizações

Assunto acadêmico, que em muitas empresas de classe mundial visa reações ao ambiente global em que estão inseridas.

 

Na Wikipédia, temos um conceito aceitável, que revela os objetivos da gestão do conhecimento “apoiar a criação, a transferência e a aplicação do conhecimento nas organizações”, bens intangíveis de grande valor agregado.     

  

A transferência de conhecimento não é um bem gratuito é muito bem pago, pense no caso das franquias, toda a vantagem desse tipo de negócio são pagos por ser um negócio, por isso digo que algo falta para transferências de conhecimento de organizações (paga por isso).

 

De lado questões comerciais, o que podemos realçar nesse tema, que tal perguntar a aos empresários qual (is) o conhecimento de sua organização? Ou, é possível fazer um checklist transparente das operações comerciais da empresa que colaboro, e com isso ganhar e aprimorar os recursos existentes (tecnológicos, logísticos, materiais, ferramentas, talentos, outros)?

 

Às vezes é necessário viajar na “maionese”, faço isso direto quando penso em alternativas para meus empreendimentos, digo, empresariais, comerciais, profissionais e pessoais, considero ainda que quem sonha, o possível pode acontecer.

 

Vejo nas notícias dos vários meios de comunicação, empresas educacionais capacitando a nível técnico, tecnológico e cientifico, mas não vejo que conhecimento as organizações realmente precisam, será que estas têm compreensão do conhecimento que possuem?

 

Qual minha preocupação, a priori nenhuma, mas como uma das propostas de um administrador de empresas que é meu caso profissional é propor cenários (curto, médio e longo), posso com conhecimento de causa, dizer que as organizações devem criar mecanismos para mensurar a gestão de conhecimento, e se já tem tais mecanismos, aplicar, aprimorar e quem sabe até comercializar.

 

Exemplo, ouvi um caso de uma empresa que estava com descontrole dos seus repasses tributários, nisso estava tendo dividendos desnecessários (prejuízos), foi sugerida uma consultoria para que fosse posto em ordem sua carga tributária, para que tal acontecimento não ocorresse novamente, mas, todo o projeto de restauração de crédito proposto e realizado, ficou na dependências da consultoria, ou seja se ocorrer descontrole, não há conhecimento prévio para ações corretivas.

 

Outra situação, agora positiva, uma empresa de transporte urbano, detectou que ao abastecer seus ônibus, sempre derramava de 1 a 0,5 litros de óleo combustível (diesel) por abastecimento, no final do mês eram centenas de litros do combustível (R$), jogados no ralo. Verificado o problema, contratado a consultoria adequada, excluído o erro da pessoa que abastecia, foi verificado que as rampas de abastecimento estavam inclinadas, motivo óbvio para o derramamento do combustível, corrigido a situação, as perdas acabaram, situação que virou uma prática para aquela empresa, ou seja, conhecimento assimilado, praticado e fidelizado.

 

Exemplos triviais, mas não são, onde a GC pode contribuir em nossos dias.

 

Todavia o que escrevo não é fácil de aplicar, gosto de lembrar do fator comportamental que envolve as ações dos homens nas organizações, pois considero que muitas pessoas não relatam os acontecimentos em seus checklist (instrumento de controle, ou conjuntos de condutas que devem ser lembradas), às vezes por achar banal tais anotações, além de inferir que muitos gestores não se dão conta dos ganhos propiciados pela gestão do conhecimento nas empresas.

 

Ambiento que o papo imediato de homens de negócios instantâneos são apenas lucro rápido, orientações e consultas são sempre para momentos de desgaste ou sofrimento empresarial, remédios organizacionais que em muitos casos não adiantam mais, minha sugestão é sempre cuidado, busque conhecer o potencial de sua empresa, bem como os arranjos necessários para sua prática sustentável, haja vista que muitos negócios se desintegrar antes de começar.

 

Evidente que o tema é complexo, cientifico e comportamental, mas passível de estudo, compreensão e aplicação.

 

Contudo leitor, contribuo com um norte de atuação em GC a seguir: faça uma documentário caseiro de sua empresa, conte uma historinha de sua atuação comercial, suas boas práticas, adaptações ao longos dos anos, realizações, dificuldades, aspirações, alavancagem, método produtivo, vendas, comercialização, compras, logística, parceiros, clientes, tudo bem caseiro, use seu celular para isso, quando terminar (documentário), análise os pormenores, repasse para seu corpo técnico, aprimore a gestão do conhecimento de sua organização, tente, vale a pena.

 

            Deus abençoe a todos.

 

 ROGÉRIO LOPES, é crente em Jesus Cristo, tocantinense, portuense, palmense, Meneger Financial Personal, Administrador de Empresas, Instrutor de Cursos, Especialista no Agronegócios,  Corretor de Imóveis e Perito Avaliador Imobiliário. [email protected]

Rogério Lopes, colunista JusTocantins - 26/08/2016

COMENTÁRIOS

 Nome:
 E-mail:
 Texto:
Comentários (0)
  • Nenhum comentário publicado.