Profissionais compromissados têm preço? Boas Práticas Empresárias – BPE (liderança pessoal)

Tudo estava arrumado, agenda preparada para primeira ação do dia, computador ligado é um bom dia estampado no rosto daquela colaboradora.

Expressamente alegre com a cena, pedi alguns minutos da atenção da funcionária e a interroguei assim.

Seu compromisso é comigo ou com a empresa?

Surpreenda com a resposta.

Ela disse, caso a recíproca for verdadeira, você vai me aprovar e me requisitar em qualquer situação do meu tempo na firma, para com a empresa tenho obrigação de ajudar nos resultados, pois também dependo deste para minha sobrevivência profissional.

Foi um choque, que resposta, melódica, penetrante, razoável e eficaz.

O preço do servidor compromissado é intangível, com seu valor agregado nos resultados eles se encaixam em qualquer função ou situação das demandas organizacionais, ninguém quer perdê-los, pois esforço e interesse são marcas destes profissionais.

Relembro que dias atrás um gestor de muitos, me disse que sua secretária executiva lia seus pensamentos, que legal, poder ou empatia.

O que vem a ser compromisso corporativo para você?

Nesta possibilidade vejo o axioma do comprometimento do homem em ambiente laboral em 4 aspectos relacionados e flexíveis.

                1 - Reciprocidade, ou seja, o sentimento e dever empresarial são de todos os envolvidos;

                2 - Obrigação, servir é uma ação dentro das organizações, o beneficio de uma tarefa ou missão cumprida e bem sucedida são de todos;

                3 - Resultados, positivo ou negativo, sucesso ou prejuízo, estamos juntos na parada;

                4 - Sobrevivência palavra bem explorada no mundo animal e no corporativo, estamos em 2015, o conhecimento está latente basta querer.

Evidentemente, que estes aspectos dependem de contextos e cenários específicos, como profissão, mercado, trabalho, tecnologia, produção, aí vai, nesta coluna sugiro a referência para os querem prosperar em seus postos de trabalho.

Note, no âmbito empresarial não sabemos mais quem são os aliados, concorrente, líderes de mercado, desligados, falidos, iniciantes (startup), com isso, sobreviver é algo príncipe, ser ativo, proativo, empreendedor, empático e talentoso são expressões já bem focadas por especialista no mundo do trabalho.

Reciprocidade, obrigação, resultados e sobrevivência, palavras de impacto ou teoria do homem moderno?

Decida-se, opino dizendo que comprometimento pode seguir uma seqüência assim, comigo, com o próximo, trabalho, profissão e resultados, sendo um compromissado minhas expectativas de resultados em vários sentidos ($$, relações, emprego, etc), são em curto prazo, vale a pena.

Técnico, prático ou utópico, mas você se enquadra nestes aspectos, qual seu retorno para sua empresa, seus resultados são visíveis, e a sua sobrevivência, que obrigação você tem contigo, com seu chefe, colega, os outros departamentos e com o mercado, posso ser mais compromissado.

Difícil, não assusta, papai me dizia, quem não deve não teme.

Isso aí, a mídia diz que estamos em ambiente de crise, assunto esse que conheço desde criança (naquela época era a crise do preço do geladinho), os brasileiros são positivos, criativos, proativos, e destemidos, ser compromissado nas relações do trabalho é um fator estratégico para galgar postos e empreender na sua carreira profissional (vista a camisa, a calça, o terno, o blusão), bolão para frente.

Abraços, compromissado neles e a benção de Deus em nossas vidas.

 

 

ROGÉRIO LOPES, é crente em Jesus Cristo, Meneger Financial Personal, Administrador de Empresas, Especialista no Agronegócios, Facilitador de cursos,  Corretor de Imóveis e Perito Avaliador Imobiliário.

[email protected]

Rogério Lopes, colunista jusTocantins - 30/07/2015
Leia mais: Gestão

COMENTÁRIOS

 Nome:
 E-mail:
 Texto:
Comentários (0)
  • Nenhum comentário publicado.