Bom atendimento – Palavras podem ajudar

Recentemente, meu nome foi sugerido para proferir um curso com ênfase na qualidade de atendimento, que significa acolher com atenção, ouvir atentamente ou receber alguém.

Tarefa árdua, mas muito me chamou a atenção o solicitante, o senhor “J” da região de Natividade-To, pela sua preocupação altruísta sobre o tema na sua cidade e país, pela peculiaridade do atendimento a nível educacional e profissional, compreendo que posso fazer algumas considerações instrucionais.

Penso no atendimento com três bases estruturais, contratantes, contratados (atendentes profissionais) e, clientes.

Penso que os contratantes justificam o mau atendimento pela falta de qualificação profissional proposta no mercado de trabalho, mas mesmo assim contratam.

Os atendentes culpam a má remuneração, carga excessiva de trabalho e poucos apoiadores (outros atendentes), mas não buscam alternativas.

Já os clientes expõem a falta de educação pessoal e preparação para o trabalho no ato de atender, mas esquecem que quando vão às compras ou a procura de prestação de serviços, estão apressados e cansados.

Não afirmo o culpado pela dificuldade de atender bem, é só para reflexão, mas acredito que estamos todos envolvidos no processo.

O que você acha, o atendimento que esperamos está ou não a desejar, nossos atendentes estão sem concentração nas pessoas e nas orientações envolvidas no serviço? Fique ligado.

Exemplo clássico, você está sendo atendido, o telefone pessoal ou da empresa toca, o atendente te larga por períodos e já entra em novo atendimento, ou simplesmente esquece o ponto de parada da conversa ou do próprio cliente, triste né.

Ocorre muitos casos extremos que você pode narrar ou lembrar, em alguns casos os profissionais desta área não conhecem o que devem fazer, sua potencialidade, ou simplesmente não querem ajudar ninguém, que realidade, sou especialista, te digo, é possível mudar tal situação.

Neste ínterim, a titulo de sugestão, peço aos aspirantes a atendentes, atendentes, profissionais liberais e cidadãos interessados no assunto, que pensem em algumas palavras-chave, que podem assegurar sua carreira, mudar sua vida profissional e pessoal, aí vai: qualidade, tempo, empatia, respeito, educação, requinte, comportamento, objetivos, remuneração, profissão, ambiente de trabalho, foco nas pessoas e em soluções, prudência, “mimos”, autoavaliação, amor, determinação, humildade, higiene pessoal, pesquisa, feedback, dentre outras palavras, que podem nos ajudar neste campo das relações humanas.      

Finalizo dizendo que a responsabilidade social do atendimento é sim do próprio atendente, que pode ser eu ou você, se este ou aquele não estiver satisfeito ou feliz, capacitação ou novo enquadramento no mercado de trabalho pode ser uma possibilidade, procure ajuda especifica na leitura, cursos ou palestras, pois no bom ou mau atendimento, ficamos expostos tanto para o cliente como para o empregador, se ligue, vale a pena fidelizar uma pessoa, estamos atentos como consumidores.

Felicidade em atender bem.

 

 

ROGÉRIO LOPES, é crente em Jesus Cristo, servidor público do Tribunal de Justiça – To, Meneger Financial Personal, Administrador de Empresas, Especialista no Agronegócios,  Corretor de Imóveis e Perito Avaliador Imobiliário.

 [email protected]

Rogério Lopes, colunista JusTocantins - 13/07/2015
Leia mais: Gestão

COMENTÁRIOS

 Nome:
 E-mail:
 Texto:
Comentários (0)
  • Nenhum comentário publicado.