Defensoria realiza vistorias no Hospital Regional e na UPA 24 horas de Araguaína

Visando avaliar a atual conjuntura de funcionamento do Hospital Regional de Araguaína (HRA) e da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 horas do município, a Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO) realizou ações de vistorias nos locais. As atuações defensoriais ocorreram na noite deste domingo, 22, no HRA, e nesta segunda-feira, 23, na UPA, pelo Núcleo Especializado de Defesa da Saúde (Nusa) e o Núcleo Aplicado de Minorias e Ações Coletivas (Nuamac) (Nuamac) de Araguaína.

Na atuação no HRA, a vistoria focou nas questões estruturais, no acesso a insumos e medicamentos, na efetividade dos atendimentos e, também, nos efetivos profissionais, perpassando pelas alas de pronto socorro, classificação de risco, cirurgia geral, neurologia, psiquiatria e oncologia, além das salas vermelha e amarela e da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da unidade.

Segundo relatório preliminar da ação, várias irregularidades foram constatadas no Hospital. Dentre os problemas percebidos, estão rachaduras e mofo nas paredes de alguns cômodos; equipamentos e mobiliários danificados; ares-condicionados com defeito; falta de medicamentos, como Dipirona e Furosemida, e de insumos básicos, como agulhas e seringas.

Duas problemáticas, porém, chamaram mais a atenção da equipe da DPE-TO: a primeira é a falta de touca para os servidores, item que, há mais de seis meses, vem sendo substituído pela Sapatilha Propé, que é um Equipamento de Proteção Individual (EPI) para os pés. Por fim, o mau-funcionamento do Raio-X da unidade, que apresenta várias linhas sobre a imagem radiografada, prejudicando os diagnósticos, sem contar que as próprias imagens não estão sendo reveladas, mas impressas, com baixa resolução, em papel A4, fugindo ao padrão preconizado.

Presente nas vistorias, o coordenador do Nuamac Araguaína, defensor público Pablo Mendonça Chaer, ressaltou que a Justiça será acionada para que os problemas sejam sanados.

“A Defensoria Pública já tem uma ação ajuizada na Justiça, com liminar favorável deferida, que obriga o Estado a repor os insumos e medicamentos. Agora, nós vamos juntar este novo relatório a esta mesma ação para que seja cobrada, também, uma solução rápida e efetiva do Executivo Estadual, tudo visando resgatar a excelência deste serviço público essencial, que é o que a população merece”, afirmou Pablo Chaer.

UPA 24 horas

Na UPA 24 horas de Araguaína, que é mantida pela Prefeitura local por meio do contrato do Instituto Saúde e Cidadania (Isac), a vistoria objetivou conhecer e averiguar as condições gerais da unidade. Durante a ação, foi observada uma reforma predial, inclusive de ampliação, sendo a conclusão da obra prevista para ser concluída ainda em maio de 2022.

A única problemática notada foi a dificuldade quanto à regulação dos pacientes a serem encaminhados para o HRA, visto que na UPA o atendimento é de 24 horas e tem sido percebida uma longa demora para o cumprimento da transferência de pacientes para o Regional, obrigando os gestores da própria UPA a acionarem os órgãos fiscalizadores para que cobrem maior celeridade do Estado neste processo.

Também presente nas ações, o coordenador do Nusa, defensor público Freddy Alejandro Solórzano Antunes, ressaltou a importância das vistorias para que a otimização dos serviços públicos seja alcançada.

“Realizamos estas vistorias, in loco, para verificarmos todas possíveis falhas no sistema público de saúde e saná-las, aconselhando os respectivos gestores sobre as melhorias que devem ser promovidas para que seja disponibilizado um melhor serviço para a população, ou, caso necessário, acionarmos a Justiça para garantirmos estas melhorias”, ressaltou Freddy Alejandro.

Marcus Mesquita / Comunicação DPE-TO (Foto: Loise Maria/ Comunicação DPE-TO) - 25/05/2022

COMENTÁRIOS

 Nome:
 E-mail:
 Texto:
Comentários (0)
  • Nenhum comentário publicado.