Integrante de facção criminosa é condenado a 12 anos de prisão pela prática de homicídio mediante promessa de recompensa

Durante sessão de julgamento realizada nesta quinta-feira, 21, no Fórum de Palmas, o Conselho de Sentença acatou as teses sustentadas pelo Ministério Público do Tocantins (MPTO) e condenou Jairon de Sousa Silva, conhecido como Guerreiro, membro da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), a 12 anos de prisão, pelo homicídio de Epitácio Torres da Costa, ocorrido na Quadra 605 Norte, em Palmas.

O promotor de Justiça André Ramos Varanda sustentou a tese de homicídio duplamente qualificado: promessa de recompensa, no valor de mil reais, e recurso que dificultou ou impossibilitou a defesa do ofendido, ao disparar com arma de fogo, por três vezes, pelas costas da vítima, resultando em sua morte.

O crime aconteceu em setembro de 2016, após Jairon ser contratado por Ronyelles Venâncio Gomes para assassinar Epitácio, por conta de uma dívida de tráfico de drogas entre a vítima e o contratante. A efetivação do crime aconteceu nos fundos de um supermercado localizado na mesma quadra.

 

Condenação
O Tribunal do Júri condenou Jairon a 12 anos de reclusão em regime inicialmente fechado. Ao réu, que está preso na Unidade Penal de Palmas, foi negado o direito de recorrer em liberdade.

MPTO - Ministério Público Estado do Tocantins - 22/10/2021

COMENTÁRIOS

 Nome:
 E-mail:
 Texto:
Comentários (0)
  • Nenhum comentário publicado.