Polícia Civil do Tocantins ministra treinamento para policiais da Polícia Rodoviária Federal no Estado

Em recente troca de experiências, policiais da 1ª Divisão Especializada de Repressão a Narcóticos (1ª Denarc) da Polícia Civil ministraram treinamento sobre diversas técnicas operacionais de campo, para 11 operadores da superintendência regional da Polícia Rodoviária Federal (PRF-TO). O exercício tático-operacional foi realizado na sexta-feira, 16, em Palmas.

O delegado-chefe da 1ª Denarc, Enio Walcácer, explica que o treinamento é a seco, sem disparos e o ambiente simula o ambiente de cidade. É um treino específico de adentramento e Combate em Ambiente Confinado (CQB) e controle de cano, que é manuseio correto da arma para que não se tenha o fogo amigo, ou seja, disparo acidental em ambientes pequenos, quando se tem muitos agentes em ação operacional.

Segundo o delegado-chefe, o treinamento realizado tem como foco uma das metas da atual gestão, que é a integração entre forças policiais, sendo a PRF uma das forças que, eventualmente, atua em parceria com a Divisão de Narcóticos da Polícia Civil do Tocantins.

Enio Walcácer explica que, enquanto o delegado atua na ação policial com a retaguarda jurídica, na coordenação das investigações e nos peticionamentos e medidas judiciais, os agentes atuam no campo, se submetendo a situações de estresse, de risco. "Daí porque eles devem ter treinamento constante", afirma o delegado-chefe, ao ressaltar sua confiança na expertise dos agentes da 1ª Denarc, que sempre buscam aprimoramento e integração com as forças parceiras.

Referência

O policial Rodoviário Federal, do Grupo de Patrulhamento Tático (GPT), Lusiano Nunes Pinheiro, observou que, "as ações táticas em conjunto, o treinamento, as trocas de experiência e conhecimento entre nossas instituições só aumentam a capacidade dos operadores de segurança pública e a sociedade sempre ganha, com a União de Forças de Segurança". Ele ainda ressaltou que a Denarc é referência para PRF, a qual está honrada e agradecida pela oportunidade.

O chefe de operações da 1ª Denarc, agente Giomari dos Santos Júnior, explica que, seja em cumprimento de buscas e prisões seja na atuação em flagrante, as ações da Divisão de Narcóticos sempre envolvem riscos. "Por isso, quanto maior o treinamento e o condicionamento, menores os riscos nestas ações”.

Instrutor do treinamento, o agente de polícia da 1ª Denarc, Antônio Júnior, hoje cedido ao Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual (MPE-TO), ressalta que este tipo de ação deve ser contínuo na operacionalidade policial, pois aprimora a conduta do operador e diminui as variáveis desfavoráveis à sua integridade física. "Policiais que treinam, voltam pra casa ao final de cada missão”.

 

Shirley Cruz/Governo do Tocantins - 19/04/2021

COMENTÁRIOS

 Nome:
 E-mail:
 Texto:
Comentários (0)
  • Nenhum comentário publicado.