Palmas é a segunda capital com menor taxa de mortalidade causada pela Covid-19

Capital tocantinense fica atrás apenas de Florianópolis no cálculo que leva em consideração os registros de mortes por 100 mil habitantes

 

O Município de Palmas tem a segunda menor taxa de mortalidade causada pela Covid-19 entre as capitais brasileiras.  Conforme dados do Ministério da Saúde atualizados até o dia 7 de janeiro, a capital tocantinense havia registrado 74 óbitos por 100 mil habitantes. Florianópolis (SC) possui a menor taxa entre as capitais, com 70 mortes; no Brasil, essa taxa está em 95 óbitos acumulados por 100 mil habitantes.

De acordo com o boletim epidemiológico da última sexta-feira, 08, Palmas apresenta uma incidência de casos moderada comparada às outras capitais, e uma baixa taxa de letalidade de 1% a cada 100 casos confirmados da doença, ou seja, o risco de um caso confirmado resultar em óbito é de 1 a cada 100 casos confirmados. Resultado dos esforços da gestão municipal para conter o avanço da doença. Desde o primeiro caso de infecção pelo novo coronavírus em Palmas, em março de 2020, a Rede Municipal de Saúde reformulou e incrementou sua estrutura; e ao longo de mais de dez meses de pandemia assegurou atendimento de qualidade para toda a população.

Segundo a secretária Municipal da Saúde (Sesmu), Valéria Paranaguá, a faixa etária mais afetada na Capital pelo novo coronavírus é de pessoas entre 30 e 39 anos. “Se comparar com a população mais idosa, as pessoas com menos de 39 anos são em número muito superior aos maiores de 60 anos de idade, o que indica que a população jovem precisa seguir de maneira mais rigorosa as orientações epidemiológicas da rede de saúde, pois o isolamento social é para não só assegurar a saúde dos jovens, mas também e principalmente a dos idosos, que possuem maior incidência de internação e óbito pela forma grave da infecção pela Covid-19”, ressaltou a gestora. 

Medidas

O Município de Palmas investiu na aquisição de medicamentos e insumos como respiradores, expandiu o horário de atendimento nas Unidades de Saúde da Família, contratou novos profissionais de saúde e ampliou a oferta de leitos de estabilização e de internação.

Outra medida salutar para o controle da pandemia foi a criação das unidades sentinelas, distribuídas estrategicamente pelas regiões da cidade para melhor atender à população. Essas unidades realizam coleta de exames para o novo coronavírus, atendimento a pacientes sintomáticos e atendimentos de rotina. As unidades sentinelas também funcionam aos finais de semana e feriados das 7 às 19 horas, são elas: as USFs da Arno 61, Eugênio Pinheiro localizada no Aureny I, Taquari e Walter Pereira Morato, essa última localizada em Taquaruçu que funciona 24 horas.

(Com informações https://susanalitico.saude.gov.br/)

Redação Semus (Foto: Raiza Milhomem) - 11/01/2021

COMENTÁRIOS

 Nome:
 E-mail:
 Texto:
Comentários (0)
  • Nenhum comentário publicado.