Facebook agora é Meta. E o que esperar desta mudança?

A convite dos colunistas Leonardo e Guilherme Losekann, que assinam a coluna da Jovem Advocacia no Espaço Vital  no artigo intitulado “O novo mundo virtual de Zuckerberg” (que pode ser acessado aqui), vamos discorrer mais sobre a mudança do nome do facebook para Meta e as consequências disto a médio e longo prazo em todas as searas, inclusive a jurídica.

Para muitos uma mudança apenas de nome. Para outros, uma nova marca e um  novo valor de mercado que pode chegar em alguns anos a estratosféricos 800 bilhões de dólares. 

Junto com esta mudança, anunciaram que vão parar de realizar reconhecimento facial e excluirão toda a sua base de rostos cadastrados desde 2010. 

Uma nova era? Sim, com foco na privacidade. Se realmente eles cumprirem o que estão anunciando, estamos vivenciando uma mudança sem precedentes nas redes sociais vigentes na atualidade, sendo a empresa Meta (Facebook) a primeira a se adequar positivamente às ideias de privacidade.

Em relação ao metaverso, que trata da realidade virtual anunciada por Zuckerberg, temos pontos para acreditar na sua aplicabilidade no mundo jurídico e também outros motivos para crer que não chegarão nele.

A favor, já temos hoje a utilização de softwares que simulam realidade virtual para recompor cenas de crimes, acidentes de trânsito, entre outras demandas. Pensar em óculos virtuais e ambientes neste sentido tem nexo causal.

Contra, temos o exemplo do Second Life, um ambiente virtual criado em 2003 e mantido até hoje com a ideia de avatares e simulação da vida real (bem similar com o que o Facebook/Meta está propondo) e não caiu no gosto do público, uma vez que a interação humana se faz necessária ou quiçá, imprescindível.

Aliás, para algo como o mundo totalmente virtual dar certo, temos que acreditar num contexto onde a internet funciona muito bem, de forma estável, no judiciário, o processo seja sempre disponível e de fácil acesso, onde as partes (leia-se cidadão que buscam a prestação jurisdicional) tenham seus direitos salvaguardados em ambientes como audiências virtuais…

A realidade está a anos luz de tudo isto. Em muitos locais sequer temos internet de forma viável a manter uma conexão de sala virtual para uma audiência, imagine um mundo totalmente virtual (que ocupa uma banda muito maior de internet/dados). Sem falar no desconhecimento de muitos profissionais que hoje, num simples uso de aplicativos de sala de reuniões virtuais penam para exercer a sua profissão, imagine uma atuação com um boneco/avatar para poder cumprir o seu papel profissional!

Que venha a evolução, posto que sempre será bem-vinda, quando não ferir direitos e prejudicar a própria advocacia no seu mister de administração da justiça.

 

Fonte: https://www.google.com/url?sa=i&url=https%3A%2F%2Fwww.terra.com.br%2Fnoticias%2Ftecnologia%2Ffacebook-papers-brasil-e-considerado-pais-de-risco%2Cd6f389a9c19b36456404ba4c82e4031bid5qe91c.html&psig=AOvVaw0gv1vmcVzq0SAc8PAMiiw9&ust=1636418719733000&source=images&cd=vfe&ved=0CAsQjRxqFwoTCJDSnvvEh_QCFQAAAAAdAAAAABAD

Sou Gustavo Rocha

Professor da Pós Graduação, coordenador de grupos de estudos e membro de diversas comissões na OAB.

Atuo com consultoria em gestão, tecnologia, marketing estratégicos e implementação de adequação à Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD.

Quer conhecer mais? www.gustavorocha.com

Prefere mandar email ou adicionar nas redes sociais? [email protected] 

Algo mais direto como Whatsapp, Telegram ou Signal? (51) 98163.3333

#Gestão #Tecnologia #MarketingJuridico #Privacidade #LGPD

Gustavo Rocha* - 22/11/2021

COMENTÁRIOS

 Nome:
 E-mail:
 Texto:
Comentários (0)
  • Nenhum comentário publicado.