Atuação conjunta do MPTO e PCTO resulta na apreensão de drogas de alta pureza e prisão traficante em Palmas

Em continuidade às ações de combate ao tráfico de drogas, o Ministério Público do Tocantins (MPTO), por meio do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e da Polícia Civil do Tocantins, por intermédio da 1ª Divisão Especializada de Repressão a Narcóticos (1ª Denarc) de Palmas deflagrou, nas primeiras horas desta quinta-feira, 17, a operação Jericó, a qual resultou na apreensão de várias porções de substâncias entorpecentes que estavam armazenadas em uma residência localizada no Jardim Aureny III, na região sul da Capital. Ainda durante a ação policial, um indivíduo que seria ligado a uma facção criminosa que atua no Tocantins, foi preso em flagrante por tráfico de drogas.


A ação é um desdobramento da operação “Hidra de Lerna”, conduzida pelas duas instituções, nas últimas semanas, em Palmas, e que já culminou na prisão de vários traficantes e na apreensão de vários quilos de drogas.


Conforme a autoridade policial, as investigações têm sido realizadas com base em informações, apuradas pelas equipes da Divisão Especializada, de que agentes externos ao presídio estariam sendo cooptados por líderes de organizações criminosas e associações voltadas para o tráfico e que se encontram presos  na Casa de Prisão Provisória de Palmas, a CPPP.


Com o aprofundamento das investigações realizadas em decorrência das prisões feitas pela Denarc nas últimas semanas, os policiais civis descobriram que as drogas estariam armazenadas em um ponto situado no Jardim Aureny III, em Palmas, em uma residência identificada pelos altos muros que possuía. Com base nas informações levantadas, os policiais civis da unidade especializada passaram a monitorar o local e puderam constatar a veracidade das informações, sendo localizado no endereço aproximadamente 1,5 kg de cocaína pura e 400 gramas de skank, grande parte da droga já separada em pequenas porções e pronta para venda.


As investigações ainda indicaram que as drogas estavam sendo armazenadas por uma pessoa que tria sido aliciada por traficantes presos na CPPP, que conseguem, de dentro da prisão, oferecer vantagens a pessoas para que estas armazenem as drogas, dificultando a ação da polícia.
Ao ser preso, o indivíduo flagrado com o entorpecente e autuado por tráfico de drogas informou que receberia R$ 1.500 pelas drogas guardadas, e que deveria apenas mantê-las em segurança para então receber os valores. (Informações Ascom SSP/TO)

MPE TO - Ministério Público do Tocantins - 18/09/2020

COMENTÁRIOS

 Nome:
 E-mail:
 Texto:
Comentários (0)
  • Nenhum comentário publicado.