Consulta feita pela OAB/TO mostra que maioria dos advogados do Tocantins quer fim da suspensão dos prazos judiciais

ASCOM OAB/TO Por Emerson Alencar - 09/04/2020

A Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Tocantins realizou uma consulta pública para saber os efeitos que a pandemia do coronavírus causou à advocacia tocantinense. Foi a primeira Seccional da OAB no Brasil a ter a iniciativa de ouvir os advogados e advogadas sobre o assunto. 

A consulta mostrou que a maioria dos advogados (55,9%) quer o fim da suspensão dos prazos processuais no Judiciário.  

Outro ponto tocado na pesquisa foi em relação às medidas de isolamento social determinadas pelas autoridades de saúde. A maior parte dos advogados (79,4%) disse que é a favor do isolamento social, mesmo sofrendo os impactos dessa medida em sua atividade profissional.

Também foi questionado se os entrevistados conheciam algum advogado ou advogada que tenha contraído o coronavírus e 55,4% afirmaram que sim. Quando perguntado se tinham algum cliente com a doença, 91% declarou que não. 

A consulta pública foi realizada entre os dias 2 e 7 de abril e foi respondida 480 advogados e advogadas. Dos que responderam o questionário, 58,5% são jovens advogados, 17,9% responderam que têm entre 6 e 10 anos de inscrição na Ordem, 16,5% disseram ter mais de 15 anos e 7,1% de 11 a 15 anos de inscrição. 

A consulta também pediu a avaliação da advocacia sobre as ações de enfrentamento da crise causada pelo coronavírus realizadas pela OAB/TO. “A atual gestão da OAB/TO é bem avaliada em relação às medidas tomadas para enfrentar a crise. Para imensa maioria dos advogados e advogadas que responderam a consulta pública, as medidas tomadas estão servindo, dentro do papel da instituição, para minimizar os efeitos de uma crise sanitária que atinge todo o mundo, que aflige  toda a sociedade”, traz o relatório.

COMENTÁRIOS

 Nome:
 E-mail:
 Texto:
Comentários (0)
  • Nenhum comentário publicado.