Verbas do Judiciário e doações da comunidade resultam na construção da sede da Polícia Militar em Miranorte

Natália Rezende/ Foto: Divulgação Comunicação TJTO - 20/09/2019

A união de esforços de uma comunidade e da Justiça pode fazer a diferença e render bons frutos para toda população. Foi o que ocorreu em Miranorte, onde verbas destinadas pelo Judiciário e de diversas doações da comunidade em geral resultaram na construção da sede da Polícia Militar do município.

A iniciativa partiu do Conselho Comunitário de Segurança Publica e Defesa Social (Conseg-Miranorte), que começou com a ideia de instalar sistema de videomonitoramento, mas que acabou sendo ampliada para construção do prédio, visto que o atual é alugado pelo Estado e não possui a devida segurança para os militares atenderem a população.  

“Decidimos fazer o projeto em duas etapas que consistiram em uma audiência pública para a qual chamamos fazendeiros, comerciantes e a população de um modo geral que desejasse colaborar com o projeto. E depois corremos atrás de prestação de serviços de pedreiros e serventes”, revelou Fernando Mota, presidente do Conseg, lembrando que a Prefeitura cedeu o lote, com a aprovação da Câmara Municipal.

O primeiro mutirão foi realizado em dezembro do ano passado para a construção do muro do novo prédio, cuja planta segue o modelo padrão usado na construção de prédio para os comandos militares. A primeira etapa - construção do muro - foi finalizada em um segundo mutirão para na sequência começar a construção da planta baixa.

Neste sábado (21/9), começa novo mutirão, agora para puxar o contrapiso da parte da calçada da frente e da lateral da garagem e em seguida fazer o revestimento de cerâmica.  “Estamos ansiosos para entregar a obra logo. É uma obra que a comunidade abraçou”, comemora Wanderson Gomes Brito, que coordena voluntariamente os serviços prestados.

Ações dão resultado

Para garantir as obras, o Conseg organizou várias ações para arrecada recursos, como o Costelão Cooperar, que mobilizou cidade em prol da construção do prédio da Companhia da Polícia Militar e também do Hospital do Amor de Palmas, gerando uma arrecadação de R$ 13.608,00, somados ainda aos R$ 30 mil, resultado das penas pecuniárias estabelecidas pela Comarca.

Somadas todas as doações, foram investidos até agora nas obras da sede da PM cerca de R$ 100 mil, estima Fernando Mota, garantindo que a prestação de contas está em dia é avalizada pelos membros do conselho fiscal. Lembrou ainda que a compra de materiais para a obra é feita no comércio local, mediante processo licitatório no qual são avaliados três orçamentos.   

O novo prédio fica na Avenida Castelo Branco, acima da Feira Municipal e próximo ao Centro de Ensino Médio Ruy Brasil Cavalcanti. Prevista para ser entregue no dia 8 de novembro, a obra é tocada por voluntários através de mutirões aos finais de semana, dos quais participam também condenados a prestar serviços comunitários.  E foco agora da campanha é buscar os recursos necessários para a instalação do sistema de videomonitoramento, a exemplo do que ocorreu em Miracema, onde os índices de violência teriam caído as câmeras serem instaladas.

PM destaca solidariedade

“Nós corremos atrás com um grupo de amigos aqui da cidade e criamos o conselho comunitário de segurança do município e passamos a correr atrás dos materiais de construção e de serviços especializados. A sociedade, de um modo em geral, abraçou a causa e apoiou a Polícia Militar”, lembrou o capitão Mariozan Aguiar Marques, ex-comandante da sede do 2º Pelotão da Polícia Militar de Miranorte.

“A sociedade mais uma vez se voluntariou para que pudéssemos concretizar este empreendimento tão importante para a segurança de nossa cidade”, ressaltou o subtenente Murilo.

Foco social da Comarca

“O Judiciário tem destinado verbas pecuniárias para entidades e associações de caráter social, entre elas está o Conselho de Segurança. Esse projeto da construção está nos padrões previstos, já que dá novas condições para a Polícia Militar aumentar as condições de segurança”, ressaltou o juiz Cledson José Nunes, titular da Comarca.

Ainda conforme o magistrado, o Judiciário tem caminhado para uma melhor prestação de serviço comunitário. “As pessoas que possuem ciência para auxiliar nos mutirões estão sendo encaminhadas para ajudar na construção.”

COMENTÁRIOS

 Nome:
 E-mail:
 Texto:
Comentários (0)
  • Nenhum comentário publicado.