Titular da Subseção da OAB/Gurupi, Albery Cesar Oliveira dá entrevista ao JusTocantins

www.justocantins.com.br - 15/02/2013

O advogado Albery César de Oliveira, é presidente da Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Tocantins, em Gurupi, é o entrevistado da semana no site JusTocantins.

A Subseção é uma das maiores do Estado, sendo responsável pelos municípios de Aliança do Tocantins, Dueré, Formoso do Araguaia, Peixe, Jaú do Tocantins e São Salvador, além da própria Gurupi, a terceira maior cidade do Tocantins.


Na entrevista, Albery César de Oliveira, fala sobre as metas junto à Subseção, o apoio que pretende dar aos inscritos, a rotina de trabalho, e a busca por regularização dos advogados junto à OAB, entre outros assuntos.


Confira a integra da entrevista:


JusTocantins -  Qual será a sua atuação frente à Subseção da OAB Gurupi? Quais são suas metas?


Albery César - A Subseção de Gurupi é extensa, envolvendo nove municípios. Inicialmente estamos levantando diretamente os problemas junto aos colegas, objetivando planejar as ações a serem implantadas, em conjunto com a seccional, conforme nos garantiu o Dr. Epitácio Brandão. Começamos pela região de Palmeirópolis, onde retornamos e prestamos cursos dos sistemas dos processos digitais da Justiça do Trabalho e da Justiça Estadual, com a importante participação e auxílio da seccional, contando inclusive com a presença do Dr. Rubens Dário, vice-presidente da seccional, ministrando o curso do E-Proc. A próxima localidade será Formoso do Araguaia, onde temos notícia de vários e importantes problemas que afligem a classe, inclusive quanto à prestação do serviço jurisdicional. Na sequência, Peixe e Gurupi. Tudo em breve.


Queremos dar atenção especial à pessoa do advogado, enquanto militante forense, atendendo todas as suas justas reivindicações, que vão desde o fornecimento de meios físicos básicos nas salas dos advogados à má prestação do serviço judiciário.

 

JusTocantins - O que os advogados da Subseção de Gurupi, que necessita de apoio financeiro da Ordem, podem esperar da sua atuação?


Albery César - Uma gestão firme e sem atrelamento aos poderes constituídos, não só adotando posicionamentos definidos, como também agindo concretamente em benefício e engrandecimento da classe, com o que temos forte compromisso do Dr. Epitácio Brandão.


JusTocantins - Quantos advogados estão vinculados à sua Subseção? E Como será a sua rotina de trabalho pela defesa das prerrogativas dos advogados da sua Subseção?


Albery César - A lista é extensa, contando em torno de 650 advogados. Porém, quase a metade está irregular frente à tesouraria da Ordem, o que merece especial atenção. Inclusive, sobre isso, na primeira sessão do ano já foi deliberado, com exatidão, pelo Conselho Estadual que serão tomadas imediatas medidas de cobrança.


Já de início formamos várias comissões, cuja posse se deu no começo do mês, contando inclusive com as importantes presenças do Dr. Epitácio Brandão e alguns conselheiros. Dentre elas, criamos uma para funcionar na área de valorização da advocacia e na defesa das prerrogativas, tendente a enfrentar, sem medeio, todos os problemas. A par dela, a diretoria da Subseção, coesa e firme, também se aterá diuturnamente, em torno da defesa dos direitos estatutários.

 

JusTocantins - O senhor tem uma extensa lista de trabalhos prestados à Ordem. Como o senhor se sente trabalhando pela classe?


Albery César - Na verdade, somos apaixonados pela profissão e é com esse sentimento que nos dispomos a trabalhar pela melhoria das condições para a atuação advocatícia junto aos foros, repartições e onde quer que o advogado venha a atuar. Por isso que estamos contentes com a oportunidade de podermos fazer algo pela classe e, sobretudo, pela profissão, que tanto nos tem retribuído.


JusTocantins - Em sua opinião, qual é o principal problema na formação dos bacharéis em Direito, que ocasiona o alto índice de reprovação no exame da OAB? Ou não teria nenhuma relação entre a formação e o exame? Como o senhor avalia essa questão?


Albery César - A problemática da formação é antiga e reside basicamente na baixa qualidade dos cursos de direito. O professor "faz" que ensina, o aluno "faz" que aprende e tudo fica resolvido. Aí, sobra para a OAB glosar aquele que não tem conhecimento jurídico ao exercício profissional. Doloroso problema que chama para a necessidade de repensarmos a estrutura de ensino-aprendizagem, arregimentando professores que gostem, saibam ensinar e também saibam exigir, o que, diga-se bem, não são poucos.

 

Digo isso porque fui professor concursado por mais de dezesseis anos frente à Fafich/Unirg, de onde saí por não mais acreditar na estrutura de ensino que ali era ofertada, o que se repete, de um modo geral, em outras instituições de ensino.


Dito isso, não há como se insurgir contra o exame de Ordem, que é uma forma de medir e forçar a melhoria do processo ensino-aprendizagem. Pois, não há como olvidar a necessidade de ser mensurada a capacidade de quem se coloca à disposição para defender a liberdade e os bens das pessoas, destinatárias dos serviços advocatícios.


JusTocantins - Fale um pouco da sua trajetória profissional e indique algumas alternativas para aqueles que estão iniciando nos estudos das letras jurídicas. Quais seriam as maiores oportunidades? Quais são as tendências do mercado de trabalho para os egressos do curso de Direito?


Albery César - Começamos a advocacia há vinte e seis anos em Alvorada, quando ainda era Estado de Goiás. Estamos há dezesseis anos em Gurupi, com atuação na Região Centro-Sul, nas áreas agrária, civil e bancária. Lecionamos introdução ao estudo do direito, teoria geral do processo, direito civil e direito agrário (titular concursado) junto à antiga Fafich (atual Unirg), a partir de 1988, até 2004.


Primeiro, como dissemos, é necessário que se tenha gosto pela profissão, que é uma questão íntima e crucial para o sucesso. Se não houver isso, é melhor seguir outra carreira ou trilhar pelo caminho dos concursos públicos.


Vejo que o direito ambiental, o direito tributário e o direito empresarial são áreas de  crescente demanda. Porém, o profissional deve ter forte conhecimento no direito comum e no direito processual, pois todos os conhecimentos de fundo emanam desses dois grandes ramos.


JusTocantins - O senhor gostaria de abordar mais alguma questão que não tenha sido tratada nas questões anteriores?


Albery César - Como complemento, gostaria de tecer sobre a necessidade de que se dê importância à necessidade de termos uma postura humanista e ética. Aliás, tais ditames são imprescindíveis em qualquer profissão. A remuneração, a paga pelos serviços, deve ser conseqüência, e não encarada como mera finalidade imediata.


Temos que prestar um bom serviço, por anos a fio, demonstrando denodo e afinco, para, em momento seguinte, sermos reconhecidos e esperarmos a boa paga. A verba honorária deve ser conquistada, com decência e calma.


Muito embora, a questão pecuniária seja inerente à própria sobrevivência, ela tem que ser encarada com serenidade e equilíbrio. Quem a coloca em primeiro lugar estará exposto ao desprestígio e ao insucesso.

 

Leia mais: CésarOAB

COMENTÁRIOS

 Nome:
 E-mail:
 Texto:
Comentários (0)
  • Nenhum comentário publicado.